Música

Música é contexto

chet_bakerVAMúsica não é questão de gosto, mas, sim, de contexto. É o espírito daquele determinado dia, aquela situação particular e, PAM!, surge a faixa que parece ter sido feita sob medida para aquele momento. Você não a conhece ou não simpatiza com ela, mas a canção entra sem pedir licença e fica definitivamente, queira você ou não.

Isso parece fazer ainda mais sentido nos dias de hoje, época em que a gente assiste a zilhões de filmes e séries de TV, em que tudo parece tentar o melhor casamento de fundo sonoro com história (sem falar nos comerciais, ou então no videoclipe, que faz exatamente a operação inversa).

Pensei sobre contextos e sobre como um som estranho ao seu gosto pode fazer diferença, quando corria no Ibirapuera, com o shuffle ligado na minha lista da cem músicas mais tocadas do iPod. Estava rolando “99 Problems”, do Jay-Z. Nunca me liguei em nada que tivesse a mínima ligação com gangsta – que possui uma onipresença sufocante a ponto de hip hop ter virado só ‘ sua vagabunda’ pra cá ‘vou te dar uns tiros na cara seu filho da puta’ pra lá.

Com “99 Problems” foi diferente. Há uns quatro anos, eu andava tristonho com o balde de água fria que uma garota tinha me dado – e com ‘la mala racha’ nas tentativas de relacionamento. Como qualquer pessoa que se vê frustrada com um amor não-correspondido, a coisa dura alguns dias e o desânimo custa a sair. Para mim, a fossa e a fase eram resumidas bem por Chet Baker em “I Fall in Love Too Easily”. “My heart should be well-schooled / ‘Cause I been fooled in the past / But still I fall in love too easily / I fall in love too fast”.

jay-zVA2Mas olha o que serviu para me tirar do abatimento emo? Não me lembro exatamente a situação, mas de repente ouço Jay-Z cuspindo com raiva: “If you havin’ girl problems I feel bad for you son / I got 99 problems and a bitch ain’t one”. Foi um estalo. Foi como ouvir “para com essa besteira toda. Ao contrário do que dizem por aí, mulheres não curtem muito caras apaixonados. Sai dessa, cara”. Eu saí e muita coisa mudou. Até conservei algo daquela paixão (sim, não me livrei totalmente do que dizia “I Fall in Love Too Easily”). Mas Jay-Z me ensinou, por linhas meio que tortas, que você precisa saber a hora de ser brucutu. Sim, nada mais moderno em relação ao tratamento a uma mulher do que ser brucutu. Apenas a hora e o jeito. Mas nunca deixe de ser brucutu. (o Ivan Martins, colunista da revista da Época, discorre com mais detalhes sobre caras apaixonados se dando mal).

E o mais importante de tudo: Jay-Z também ensinou que, para você sacar uma música de verdade, um contexto diz bastante.

Ouça: Chet Baker – I Fall in Love Too Easily

Ouça: Jay-Z – 99 Problems

Anúncios
Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s